Olhar Econômico

31 maio, 2006

PIB no 1 trimestre de 2006

O Produto Interno Bruto (PIB) a preços de mercado, calculado pelo IBGE, apresentou crescimento de 1,4% na comparação do primeiro trimestre contra o quarto trimestre de 2005, levando-se em consideração a série com ajuste sazonal. Em relação ao primeiro trimestre de 2005, o crescimento foi de 3,4%. No acumulado em quatro trimestres (terminados no primeiro trimestre de 2006), a taxa ficou em 2,4% quando comparada aos quatro trimestres imediatamente anteriores.

Segundo os dados do IBGE, a indústria foi o setor que contribuiu de forma mais significativa para a alta (1,7% em relação ao trimestre anterior).

Fonte: IBGE

Previsões do PIB em 2007

A consultoria britânica Economist Intelligence Unit (EIU), em seu relatório de previsões para o crescimento da economia mundial prevê que o Brasil crescerá (só) 3,5% em 2007. O resuldado é ambasado na queda das exportações e um fortalecimento do mercado interno.
Fonte: BBC Brasil

05 maio, 2006

Palavras x Comentários


O gráfico ai de cima explica tudo que vem ocorrendo no blog. Parece que quanto mais palavras que eu uso, menos comentários aparecem.

04 maio, 2006

Ache os principais jornais do mundo

Ache os principais jornais do mundo através do IPJ (The Internet Public Library)

Editorial de um jornal boliviano

Medida histórica

El Decreto Supremo signado con el número 28.701, que establece la Nacionalización de los Recursos Hidrocarburíficos del país, constituye una medida histórica del gobierno que preside Evo Morales Aima, porque al igual que las otras dos nacionalizaciones que se registraron en el país, la primera durante el gobierno de David Toro y la otra de Alfredo Ovando Candia, retorna la propiedad de los recursos naturales al Estado. De esta manera se busca una racional y sistemática explotación de los mismos, que estaban bajo la administración y control de empresas transnacionales, que por el momento parecen estar de acuerdo, porque no fueron conocidas reacciones que condenen esa disposición gubernamental.

Según la determinación del Gobierno, del cien por ciento de los recursos que genere el sector de los hidrocarburos el 82 por ciento corresponde a los bolivianos y el restante 18 por ciento para las empresas petroleras, lo que equivale a decir que el Estado, a partir del pasado lunes, tomó el control y la administración de las empresas petroleras que operaban en el territorio nacional. La distribución de los ingresos para Bolivia contempla que del 82 por ciento, 18 son por concepto de regalías, el 32 por ciento por el Impuesto Directo a los Hidrocarburos y otros 32 por ciento por la participación adicional para la empresa fiscal del petróleo. El porcentaje destinado a las petroleras transnacionales cubre el costo de operaciones, la amortización de inversiones y las utilidades.

La disposición gubernamental establece un plazo de 180 días a las empresas petroleras para que puedan suscribir nuevos contratos con el Estado boliviano en el marco de la nueva normativa vigente desde el 1 de mayo del año en curso, tiempo en el que se definirá la posición que asumirán las transnacionales petroleras. Por lo tanto es necesario esperar para conocer la dirección que tomará la determinación del Ejecutivo y también la posición de las petroleras.
La nacionalización de los hidrocarburos en Bolivia es una de las noticias más importantes que recorrió el mundo, causando expectativa en el sector empresarial y también político, a diferencia de muchas especulaciones que se las conoció inmediatamente se informó de la nacionalización dispuesta por el Ejecutivo. Las empresas petroleras afectadas por esa disposición reaccionaron con cautela, muchas de ellas se asombraron por el Decreto Supremo 28.701 y no descartan la posibilidad de que el presidente Morales Aima influya en su gobierno para llevar adelante una negociación y diálogo auténticos que tomen como punto de partida el respeto y la consideración que merecen las referidas compañías.

La medida está lanzada, ahora corresponde a las autoridades impulsar con la mayor transparencia y responsabilidad este proceso que desde todo punto de vista es considerado histórico, para lograr los resultados que se busca. La participación del pueblo boliviano tiene que ser militante, apoyando todas las acciones que se ejecutarán a favor del país y censurando y oponiéndose a posiciones que no se ajusten a los requerimientos y necesidades de Bolivia. Además debe primar un respeto y consideración en las negociaciones para la suscripción de nuevos contratos con las petroleras y así demostrar al orbe que entre los bolivianos prevalece la cordura y la consideración a los empresarios foráneos.

Las autoridades a fin de evitar enfrentamientos por el accionar de grupos contrarios a la Nacionalización de los Hidrocarburos, tienen que hacer un llamado para iniciar una cruzada nacional de soporte a la determinación gubernamental, ignorando las provocaciones que pudieran surgir, con la finalidad de hacer que el control absoluto de los hidrocarburos sea tarea de todos, porque los beneficios a ser logrados serán de Bolivia y sus habitantes.

Con el propósito de evitar distorsiones y malas interpretaciones es necesario que el Ejecutivo en el menor tiempo posible inicie una campaña de información y concientización sobre la importancia que tiene para el país la nacionalización de los hidrocarburos, además de que esta medida no sea utilizada como una bandera política, porque al final de cuentas involucra a todos los que apoyaron y votaron por la elección del actual Presidente de Bolivia.

Jornal El Diário

Obs.: Ainda não se sabe realmente onde vai terminar isso tudo, mas é certo que Evo Morales sacode com a economia na América Latina. Só não quero ler que a economia nacional não creceu o "espetáculo do crescimento sustentado" pela medida populista e nada racional do representante cocalero. Tentei achar o tal do Decreto Supremo 28.701, mas nem o site é organizado e de fácil acesso.

01 maio, 2006

Propina sem empresário é praia sem sol ...

Uma pesquisa da PriceWaterhouseCooper mostrou que 96% dos 79 presidentes de empresas que faturam mais de 100 milhões de dólares consideram a corrupção o principal problema brasileiro.

Esse resultado fica de outro tamanho se um (basta um) desses 79 senhores disser publicamente o que acha de seus similares dos Banco Rural e Usiminas, empresas apanhadas na malha valeriana.

A idéia de que os políticos e servidores corruptos passam os dias dando e tomando dinheiro deles mesmos é ingênua e matematicamente neutra.

Sem empresários a corrupção é uma praia sem sol. Bem ou mal, o Congresso e a administração pública expõem e punem seus corruptos. O mundo dos negócios melhoraria se além de reclamar da corrupção dos outros, os grandes empresários repelissem os malfeitores com quem convivem felizes. Nunca é demais lembrar que a Fiesp divulgou uma nota de solidariedade à butique Daslu quando ela foi varejada pela Polícia.

Recordar é viver. A Poderosa disse o seguinte: 'Fatos notórios recentes, vivenciados pela sociedade, revelam situação de anormalidade (...) Não há como se manter alheio ou indiferente a essa realidade'. A anormalidade, para a guilda, estaria na ação da Polícia.

Fonte: Coluna de Elio Gaspari, no Correio do Povo/RS

Filas culturais?

O presidente do INSS, Valdyr Moysés Simão, está certo. Há uma 'questão cultural' em cima das filas da madrugada nos postos do INSS. Ele acredita que a turma do andar de baixo, por néscia, acorda no meio da noite para buscar serviços e benefícios pelos quais pagou. Esse pedaço da 'questão cultural' vai por conta da nomeação de demófobos para funções relevantes na administração pública. Gente que atribui a própria incompetência à cultura do povo que lhes paga os salários.

A verdadeira 'questão cultural' é outra. Freqüentemente, os governantes brasileiros, por leviandade derivada da ignorância e/ou da preferência pela empulhação, prometem mentiras.
Em outubro do ano passado, 'Nosso Guia' disse o seguinte:
'A ordem é acabar com as filas dando dignidade ao cidadão. A partir de março começo de abril, podem me cobrar.'

Fonte: Coluna de Elio Gaspari, Correio do Povo/RS

Muito sinistro

Essa vem da terra da copa 2006 e é muito sinistro. E não tem nada ver com economia.

Alemã é multada por dirigir transportando cadáver.

E era o cadáver da própria mãe. Ela cruzava o país e queria economizar o dinheiro que seria gasto com o transporte por uma funerária. A polícia justificou a multa alegando que a mulher estava "perturbando a paz de uma pessoa morta". A mulher já havia percorrido 450 quilômetros depois de pegar o corpo em um necrotério de uma cidade do norte da Alemanha. A idosa de 90 anos havia falecido por causas naturais. O cadáver estava no banco de trás do carro sem cinto de segurança. Ela teve de pagar uma multa de baixo valor.

Novo WTC


World Trade Center. O prédio vai simbolizar a recuperação da cidade de Nova York depois dos atentados de 11 de setembro de 2001. A “Torre da Liberdade” terá 540 metros de altura e será erguida no local onde ficavam as torres gêmeas, destruídas por aviões seqüestrados. O arranha-céu será uma das construções mais altas do mundo, com 82 andares. Apesar do clima de celebração da paz na inauguração das obras, a construção só começou depois de atrasos causados por discussões sobre o financiamento e a segurança do imóvel. O projeto foi redesenhado porque, na opinião de policiais, o prédio poderia ser vulnerável a atentados. O novo projeto prevê uma base de 60 metros coberta de titânio para o edifício e painéis de aço que suportariam explosões.

Arrumando a casa

É sabido por todo que nosso carismático presidente Lula não se auto-denomino candidato a reeleição, certo? Certo!

Mas, uma coisa ele já está fazendo. Arrumado a sua casa, ou melhor mobiliando ela. Quem paga? Até onde sei é nós!

Veja só o que descobri ( talvez já seja sabido de todos, mas para mim é novo) licitações, muitas licitações da reforma.

Veja só no site do Palácio do Planalto.

O mais interessante é uma de aquisição de eletrodomésticos, televisores, fragmentadora de papel e bebedouro. Com gasto estimado de R$86.939,10.

Tem de tudo. 15 Frigobar (guardar a cervejinha da copa), 10 Tv 29' ("tela plana" para assistir a seleção!), 4 Tv 20'(para os empregados), Espremedor de frutas (ele bebe muito suco natural!) ...

Para quem não acredita, então, veja no ANEXO I, na p. 14.

Esse é o Meu Brasil!!!!