Olhar Econômico

29 novembro, 2005

Reportagem: Inovação é fundamental

Muito boa a matéria publicada na Revista Exame desta semana. A reportagem trata da inovação como um elemento que pode diferenciar uma empresa do sucesso para com as fracassadas. Obviamente, que inovação é fundamental, mas para a maioria das empresas não fica claro como isto pode alavancar seus retornos financeiros. Vale conferir a tática utilizada por algumas das mais importantes empresas brasileiras e internacionais reconhecidas pela sua tradição em inovar. E leia como funciona a política de estímulo a inovação dentros destas empresas, onde os funcionários e demais contatos dão os primeiros passos e testes. Boa Leitura!

Kyoto

O Jornal Clarín concede destaque à Conferência da ONU sobre o Clima, que se realiza em Montreal, Canadá, com representantes de 180 países, y se extenderá por dos semanas. Essa é mais uma tentativa na contenção dos efeitos nocivos da poluição sobre o clima global. Leia...

25 novembro, 2005

$$ Lucros


Segundo Jornal Gazeta Mercantil, a apresentação da consultoria Economatica demonstra que doze empresas brasileiras ficaram entre as 20 melhores da região no terceiro trimestre. A pesquisa é feita com companhias de capital aberto. Leia..

Pizza

O Jornal Los Angeles Times aponta que os resultados finais das apurações pelas CPIs podem virar uma grande "pizza". A matéria supõe que a demora e as manobras que a legislação brasileira concede é o caminho para que os resultados e punições sejam abreviadas. Bem, até ai não tem nada de novo, pois a maioria da população brasileira acompanha, também, com certo descrédito os resultados. Agora, complicado é esses comentários sobre a conduta dos representantes legais brasileiros no exterior. Certamente ser considerado como corrupto e mesmo assim nada acontece, me parece muito ruim.

24 novembro, 2005

Lula

Mais uma comparação do Lula. Palocci é o "Ronaldinho" do seu governo. Estava demorando para Lula emplacar mais uma. Na matéria do Clarín, Lula afirma que um dispensa de Palocci seria o mesmo que o "Barça" dispensar Ronaldinho. Imagina só. Diz que não está preocupado com eleições. [...] “La reelección no me preocupa, no duermo y despierto pensando en eso”, aseguró. Será mesmo?. Leia...

20 novembro, 2005

Projeto nacional de desenvolvimento?

Interessante essa matéria de capa que a Revista Forbes apresenta. Na matéria há um relato do descontentamento dos empresários para com algumas questões econômicas. Ao que parece falta resolver questões, como os juros altos, a taxa de câmbio, a alta carga tributária. Bom, até ai não tem nada de novo, pois isto já se arrasta por longos anos. Leia a matéria, muito boa por sinal..

Governo dividido?

A tese é do Jornal Clarín, da argentina. Os jornais internacionais, especialmente o clarín, tem concedido destaque a disputa política entre as duas mais influentes peças do governo Lula. A briga entre Dilma e Palocci rende aos jornais papel de destaque e mostra um pouco da indecisão do presidente em definir logo os caminhos econômicos que quer dar ao país neste fim de mandato. O motivo da discórdia não vou relatar, pois já postei varias matéria, mas considerações devem ser feita. Dilma, tem-se apresentado, ao meu ver, como uma nova mártir e quer trazer para si as objeções de outros ministérios. Obviamente que a questão politica, ultimamente no Brasil, tem sempre se destacado mais que a econômica, parece ser uma questão enraizada na cultura política brasileira. Os interesses políticos sobre os econômicos e pronto. Agora, os méritos de taís políticas "Palocianas" devem ser analisadas com mais propriedade, então, não se mexe muito no que está transcorrendo bem. Aquele velho conceito que sempre ampara os cautelosos, pois em matéria de besteira, o governo atual largou na frente. Isso é minha opinião. Leia, então, a matéria do Clarín...

Participação no PIB

O IBGE aponta uma maior descentralização na riqueza do país. O estudo aponta que as capitais perderam posições na participação no PIB, entre 1999 e 2003. Essa redução se deve aos municípios de fora das regiões metropolitanas das capitais que engordaram suas respectivas participações. O estudo mostra que a participação das capitais no PIB brasileiro caiu de 31,9% em 1999 para 28% em 2003, enquanto a participação dos municípios fora das regiões metropolitanas das capitais subiu, no período, de 46% para 49,7%. A queda se deve ao movimento migratório da indústria. Leia mais..

Peter Drucker

Uma matéria da revista Exame relembra um pouco da características de um dos mais influentes pensadores deste século, Peter Drucker, o pai da Administração Moderna. Realmente, pouco tem-se divulgado sobre a morte de Drucker e certamente este deixou um legado de grandes exemplos que deverão ser seguidos por muitos anos. Drucker, não foi só um pensador moderno, foi o mais influentes dos pensadores e conseguiu algo raro, a atenção dos mais importantes homens de negócios do mundo. Peter foi e é ainda a referência para o mundo dos negócios. Leia .

Chaves: O problema da américa?

Interessante essa critica da revista Isto é Dinheiro sobre a conduta do Presidente da Venezuela, Hugo Chaves. A matéria levanta uma questão importante, uma possível intereferência negativa de Chaves no processo de negociação do Mercosul no campo internacional, visto que, esse país está em acentuado processo de aproximação. Obviamente que Chave é polêmico e corajoso em suas declarações e até é de se pensar num possível distanciamento, pois no campo internacional o importante é a negociação diplomática. Portanto, espaços para criticas mesquinhas como a que Chaves disparou contra o Presidente do México, Vecente Fox, nada tem a acrescentar ao processo de integração e negociação do Mercosul e mesmo do Brasil. Realmente é de se pensar nisto.

Critica

O professor de economia da Faap-SP, Tharcisio Bierrenbach, faz uma critica ao processo de investimento do país em educação e ciência e tecnologia. Na sua colocação os investimentos em educação além de serem prioritário geram as bases para um processo de desenvolvimento sustentável no longo prazo. Na sua concepção, educação por si só não basta é necessário qualidade e eficiência na utilização dos parcos recursos públicos brasileiros. O acesso a educação fundamental e superior de qualidade é apontado como o possível diferencial em relação a outros países também emergentes. O professor alerta ainda sobre uma possível queda na formação de mestres e doutores no país. Na sua concepção, os investimentos em tecnologia e pesquisa também serão os diferenciais que garantirão o salto no processo de crescimento econômico. Obviamente, esse processo somente se tornará realidade com uma conscientização dos gestores públicos. Leia a matéria.

18 novembro, 2005

Dólar

O BC anuncia a compra de mais dólares. Agora, é via SWAP. Mas, segundo analistas econômicos a cotação deve se manter no patamar atual com tendência de queda. Interessante que essa arma de juros alto e exportações altas tem "matado" os efeitos das políticas "anti-queda dólar" do BC. Esse é o verdadeiro problema do BC. Leia..

Super Receita não sai

A decisão é do senado. Com minoria na casa o governo não conseguiu articular a votação, mesmo que em carater exíguo de tempo. Assim, a MP perde seu efeito legal e apartir da meia noite de hoje deixa de existir. Agora só resta o retrabalho de separar as Secretaria da Receita Federal e Secretaria da Receita Previdenciária que tinham sido unidas com a promulgação da MP. Bom, até ai parece um tanto normal no governo esse constante "jogo de faz de conta". Leia..

Austeridade

A reportagem apresentada pela BBC Brasil aponta uma preocupação dos investidores internacionais com uma possível mudança na condução da política econômica do país. Este movimento é reflexo da possível saída do ministro Palocci cogitada na ultima semana. Segundo a reportagem os investidores temem uma mudança que pode comprometer todo o ajuste efetuado pelo ministro. Acredita-se que mesmo com um superávit próximo aos 5% ainda deve-se continuar pois o endividamento é alto e a preocupação circula em torno da capacidade de pagamentos dos juros. Confira...

EUA: Um novo domínio?

Uma questão importante que tenho procurado me interar mais é o possível e existente controle dos EUA sobre a internet. Essa questões são pertinentes, pois ao que me parace vivemos uma nova forma de domínio. Não somente bélico, mas pelo domínio da informação. Esse é talvez uma das mais importantes ferramentas da atualidade onde um controle/domínio pode ditar o que países inteiros terão acesso. Atualmente, a internet é gerenciada por uma organização não governamental sem fins lucrativos sediada na Califórnia chamada Organização da Internet para Designação de Nomes e Números (Icann, na sigla em inglês). A Icann cuida, com a ajuda de afiliadas pelo mundo, do registro e da administração de nomes e domínios. A organização é fundamental, por exemplo, para que não haja no mundo duas páginas com o mesmo endereço. O problema que a Icann está sujeita as leis americanas. Um exemplo típico que tem circulado é de um possível bloqueio pelos EUA de uma homepage no Iraque, neste caso os demais internautas do mundo não terão, obviamente, acesso a tal material. Porém, internamente o país pode trafegar normalmente as informações. Em teoria seria uma forma de controlar e privar um país de ter acesso ou trocar dados com os demais usuários. Essa é, portanto, uma questão delicada e os EUA não vêem com bons olhos uma possível mudança situação.

Super Receita: Afinal, sai ou não sai?

A aprovação da MP 258, nesta sexta-feira, é considerada muito difícil pelo lider do governo no senado, Aloisio Mercadante. Esta MP trata da fusão da Secretaria da Receita Federal com a Secretaria da Previdência Social. O problema é que a MP já chegou atrazada para apreciação do senado, a três dias do prazo expirar, correndo o grande risco de não ser votada por falta de quórum mínimo. O prazo é 45 dias prorrogável por mais 45 dias e não sendo votado no fim dos 90 dias a MP perde sua eficácia. O ministro Palocci, um dos principais incentivadores da MP aponta uma possível perda na unificação das informações da previdência social e receita federal, ainda uma unificação na cobrança dos tributos. Uma questão importante nesta MP é a contribuição previdenciária paga pelas empresas iria direto ao caixa do INSS, sem passar pelo Tesouro. O temor dos sindicalistas é o de que o governo se utilizasse do caixa único para desviar as verbas da Previdência. Na prática, entretanto, como a Previdência vive no vermelho, não haveria utilidade para o governo em desviar as verbas, porque precisaria pegar recursos de outras áreas para tapar o buraco. Bem, a priori esta MP tudo indica que não será votada, mas convém aguardar.

17 novembro, 2005

Leitura

Autor best-seller no Brasil e nos EstadosUnidos, o americano Steven Levitt mostra como a economia resolve mistérios em todos os campos da vida . Vale conferir, pois este americano mostra de forma prática as implicações do estudo da economia. Boa leitura e veja também essa síntese...

Palocci

O jornal argentino Clarin dá destaque ao depoimento de Palocci na CAE. A reportagem aborda uma questão fundamental que tem fomentado essa crise, ou seja, a disputa política pelo ministro com Dilma Roussef. Palocci sai fortalecido, pelo menos por enquanto, desta crise e até a oposição, segundo o jornal, poupou criticas e questões mais delicadas sobre sua possível participação em esquemas de corrupção. Palocci afima que isto não passa de jogo politico e até o momento tem apoio de Lula e de boa parte do mercado. Do mercado, no meu ponto de vista, porque este tem reagido melhor após o depoimento. Confira...

16 novembro, 2005

A economia relativa

Para o professor da FEA/USP e presidente recém-eleito da Fipe, Carlos Antonio Luque, na economia não é possível fazer previsões. No seu ponto de vista, os economistas não têm poder de previsão sobre o futuro. A economia com um todo é resultados de diversos fatores (não só o crescimento econômico) sob os quais não se tem pleno controle, por isso, é muito difícil dizer o rumo que as coisas vão tomar. Leia essa matéria...

Velho dilema

As notícias quase sempre circundam o mesmo ponto. Os juros no Brasil são impraticáveis. Bom, a matéria, muito boa por sinal, foi publicada na Revista Forbes. Veja esse ponto de vista sobre os juros no país. Leia mais dessa matéria ...

Dólar: patamar de 1998?

Sim, o dóllar voltou ao patamar de 1998. Quem afirma isto é Gazeta Mercantil. Segundo o jornal paulista, a cotação do dólar caiu pela décima vez seguida e atingiu o valor de R$ 2,164, na sexta-feira. Assim, o dólar voltou ao patamar do final de 1998, situação que culminou na crise do início de 1999, quando o câmbio deixou de ser fixo. Explica-se: corrigida pelo índice oficial de inflação, o IPCA, a cotação de dezembro de 1998, de US$ 1,00 igual a R$ 1,21, passa hoje para R$ 2,09. Foi a partir desse quadro que o governo, forçado pela desvalorização imposta pelo mercado, adotou o câmbio flutuante e viu a moeda americana chegar a R$ 1,98 no fim de janeiro de 1999. Leia mais ...

Petrobras: superávit e lucro recorde

Desta vez não é no mercado financeiro, especificamente, nos bancos. O que me faz postar essa matéria é o lucro recorde da Petrobras. A petrolífera está com um superávit de US$ 700 milhões nos primeiros nove meses do ano. E pode ser que chegue a US$ 1 bilhão até dezembro. Essa é uma empresa mais que lucrativa. Essa também é uma resposta para aqueles que acham que é só os bancos os setores mais lucrativos do país. Obviamente, os bancos são os principais. Leia mais

Palocci agita o mercado

Os mercados realmente são avessos a mudanças inesperadas. Veja esta cogitação de mudança no Ministério da Fazenda. Se é que foi cogitada, pois postei uma reportagem onde Lula afirmava categoricamente que Palocci fica no cargo. Mas, mesmo assim o mercado reage aos rumores com alta leve no dólar e queda nos investimentos via Bovespa. Até que os efeitos da crise do planalto não chegavam ao ministério da fazenda os mercados se mantinha calmos. A "Blindagem" da economia era total, mas quando se cogita uma mudança, principamente, no cargo do ministro os fatos mudam. Nada como um dia após o outro. Leia mais

Brasil: Bom local para investir

O Brasil foi considerados o quinto melhor país para fazer investimentos diretos nos próximos anos, de acordo com um estudo divulgado nesta segunda-feira pela Unctad, a agência da ONU para a promoção do comércio e do desenvolvimento. O Brasil só ficou atrás da China, dos Estados Unidos, da Índia e da Rússia, nesta ordem. A pesquisa é feita junto a empresas especialistas em investimentos e transnacionais. Esse é um dado importante, pois estes investimentos, obviamente, não estão ligados diretamente ao capital especulativo. São os investimento que geram renda e emprego. Enfim, o Brasil começa a ter maior respeito por parte dos investidores mundiais. Leia mais...

Preocupação de Furlan

O ministro do Desenvolvimento, Fernando Furlan, está preocupado com a queda acentuada da cotação do dólar. Para ele, os maiores prejudicados com esta situação são as pequenas e médias empresas exportadoras que não conseguem absorver estes resultados desfavoráveis por muito tempo. A seu rigor, o BC vem fazendo uma política correta de comprar lotes de dólares para conter a queda brusca, mas mesmo assim não vem obtendo os resultados esperados. Outra questão levantada pelo ministro é a velha briga na OMC pela extinção ou pelo menos redução dos subsídios agrícolas praticada pelos países desenvolvidos. Leia mais...

Seminário Iniciação Científica

Caros colegas e amigos, convido-lhes a participar nesta quinta-feira (17 de novembro) da apresentação dos trabalhos de pesquisa desenvolvidos no Depto de Ciências Econômicas. Todos os anos a UNISC promove esta Semana de Iniciação Científica e este ano ocorrerá no mês de novembro. As apresentações irão ocorrer na sala 501 - Bloco: 5. Prestigie...

13 novembro, 2005

Política Econômica

Esta é uma questão paradoxal e que tem suscitado discussões no meio. Afinal, a política econômica do governo Lula é continuísmo da praticada no segundo governo FHC? Eu acredito que não é em sua totalidade. Explico, então. O debate é nitido, onde os petistas lutam em afirmar que não. A concepção ora apresentada busca elucidar alguns fatos que julgo importantes para diferenciar em alguns pontos tais politicas. Que na verdade são semelhantes em alguns analises, embora divergentes em outras. Bem, na verdade, a caracterização de uma política econômica exige a análise da combinação dos instrumentos utilizados e a mudança de alguns fatores pode desencadear um processo também diferenciado. No atual governo acompanhamos uma redução na relação dívida/PIB para com os dados do governo anterior. A expansão do crédito, vital para o processo de crescimento, tem atingido níveis altos. Estima-se que o BNDES disponha de cerca de R$ 60 bilhões para concessões. Apesar de que o mercado não é capaz de absorver todos esses recursos. A inflação atinge os menores índices e a ociosidade na indústria tem mostrado alguma melhora, ou seja, o processo de fortalecimento nas politicas de exportações tem ajudado o progresso industrial. A renda tem mostrado um certo ganho real. Sem contar que o índice risco-Brasil apresenta os menores indicadores dos últimos anos. E mais interessante nisto tudo é que mesmo com uma das maiores apreciações do dólar frente ao real as exportações atingem níveis espetaculares. Esta mesmas exportações tem sido o principal elemento que faz cair a cotação do dólar. Portanto, alguns considerações devem ser feitas ao atual governo. Posso abservar uma política industrial um pouco mais clara e com fortalecimento da agricultura. É uma política continuada, mas melhorada em alguns aspectos. Outro ponto interessante é a taxa de crescimento da economia nacional que obtinha crescimento médio de aproximadamente 2,2% no governo FHC e no ano passado obtivemos um cresciemento próximo aos 5%, apesar de que este ano será menor, ficará na casa dos 3,5 - 4,0% com tendência de crescimento maior em 2006. Acho que algumas colocações devem ser feitas para não confundir o atual governo com corrupção apenas. Apesar que esta manchou muito seu trabalho.

Governo em tempo real

O projeto de lei, enviado e aprovado na Comissão de Constituição e Justiça, pelo senador João Alberto Capiberibe (PSB-AP) é mais uma tentativa de reduzir a possibilidade de "caixa preta" nos governos. O "Projeto Transparência”, de sua autoria, obriga a exibição via internet das informações sobre os gastos e investimentos de todos os entes públicos, da União, dos Estados e dos municípios, em tempo real. No embate pela aprovação, o "Projeto Transparência" bate de frente com o Sistema Integrado de Administração Financeira (Siafi), mantido pela Secretaria do Tesouro Nacional e ao qual têm acesso parlamentares federais e tribunais de contas. Neste sistema (siafi) a sociedada não tem acesso a todos os dados, pois parte é bloqueada aos níveis de usos. Cabe, então, esperar uma definição deste importante tema, pois o que a sociedade busca é uma divulgação maior das intra-informações de como é feita a gestão dos recursos públicos. A convenção das Nações Unidas contra a corrupção diz que ela só é eficaz se tiver participação da sociedade. Um caso parecido ocorreu em Santa Cruz do Sul até bem pouco tempo atrás, onde um painel desvendava as contas públicas. Acredito que em tempos de CPIs para todos os lados a votação deste projeto não terá a boa vontade da maioria dos parlamentares. E o governo, será que gostaria? Eu queria só ver quando abrirem o caixa único. Mas o problema maior está nas empresas estatais que não entram no âmbito do Siafi. Bem, é de lá que vem boa parte das CPIs (Correios, BB, Petrobras).

Crise


Tenho acompanhado as recentes criticas proferida contra o ministro Antônio Palocci. Estas criticas estão atingindo em cheio a forma como vem conduzindo a atual e austera política econômica nacional. Percebo claramente uma queda de braços entre os "monetaristas" e os "desenvolvimentistas". Palocci defende, obviamente, uma política restritiva onde tem elevado o superávit primário firmado com o FMI. A meta era de 3,75%, mas foi ampliado para 4,25% e pode ser que esteja em 6% como afirmam alguns economistas. A disputa recente de Palocci foi com a ministra Dilma Roussef, que eu considero defensora do "desenvolvimentismo". Dilma exige um relaxamento na atual política, onde o ministério da fazenda disponibilize mais recursos para as áreas sociais e outros campos que carecem de investimento do governo. Na verdade o inferno astral que vive Palocci não foi causado somente pelas criticas de Dilma, mas, também, pelos seus ex-assessores da Prefeitura de Ribeirão Preto, que são Buratti e Poleto. Nesta disputa e queda de braços político quem assiste é o mercado. Lula para variar assume e afirma categoricamente que Palocci fica no ministério e a política econômica não muda. Bom, pelo menos por enquanto é uma atitude consciente. Fico me questionando se tal atitude hoje tomada e defendida seria anos atrás sequer pensada por Lula? Bem, acho que após inúmeros erros graves de seu governo uma das última coisa que fará será mexer na condução da política econômica brasileira. Vamos esperar para ver no que vai dar.

12 novembro, 2005

Peter Drucker

Nesta sexta-feira, morreu Peter Ducker, um dos maiores teóricos de gestão, considerado por muitos como fundador da Administração como uma área de estudo independente. Foi considerado, também, como o pai da Administração Moderna. Ducker tinha 95 anos e faleceu de causas naturais em sua residência em Claremont, na Califórnia. Ducker representou muito para Administração e está é uma perda considerável. Entre outras máximas, cito está que ele brilhantemente recitou: "a única coisa absolutamente certa no mundo é a mudança" ... "Não se preocupe com o fato de todos não concordarem com você. Se conseguir que um terço caminhe com você, já pode considerar-se um vencedor".

Esqueceu?



O Severino quer voltar. Agora, como Yoda.

Suplicy & Gollun


Suplicy e Gollun. Se fosse filho eu diria: "Esse é a cara do pai".

Petrobras

A Petrobras registrou lucro líquido consolidado de R$ 5,632 bilhões no terceiro trimestre deste ano. Uma questão que sempre me gerou dúvida é qual o verdadeiro custo de captação do petróleo de águas profundas. Claro que o lucro da Petrobras não se resume à somente isto, mas certamente os custos são bem inferiores ao que se tem acompanhado nos países do oriente médio. Mas, a Petrobras tem seus mérito, pois desenvolveu uma técnologia de exploração em águas profundas sem precedentes e atualmente é a lider mundial neste tipo de exploração. Vale destacar que a Petrobras chegou a 52 anos em outubro e prevê investimentos de U$$ 56,4 bilhões nos próximos cinco anos. Mais interessante ainda é a concessão para exploração, principalmente, na Bacia de Campos - RJ, onde é um dos berços do petróleo nacional. Lá e em outros pontos estratégicos, empresas privadas compraram o direito de explorar jazidas muito profunda, atraídas, principalmente, pelo lucrativo e promissor mercado petrolífero.

Déficit comercial

Os EUA apresentou no mês de setembro um déficit recorde na sua balança comercial. O valor apresentado pelo Depto de Comércio Americano foi de U$$ 66,1 billhões. Óbviamente, os EUA é um dos países que mais representa no comércio mundial, mas uma comparação pode ser feita ao desempenho chinês. Na china, o superávit em outubro foi de U$$ 12 bilhões. Bem, os EUA foram rápidos em fazer, mesmo que de forma provisória, um acordo para os produtos têxteis chineses. No Brasil, não preciso nem escrever muito, pois é notório a evolução seguida dos indicadores de superávit na balança comercial. Realmente, o comércio mundial tem se tornado um ponto delicado nas negociações de cúpula, onde cada país, naturalmente, tenta fortalecer suas posições via defesa de seus mercados.

10 novembro, 2005

Crise

Ontem acompanhei reportagens sobre a crise que passa a França. Quando começamos a olhar mais atentamente verificamos o quanto é desigual alguns países de primeiro mundo. A França é o berço da igualdade de direitos. Mas, temos visto uma verdadeira revolução por igualdade de direitos. Uma porção da população francesa é composta por filhos de imigrantes, muitos deles de ex-colônias francesas na Africa. Uma população que vive as margens do desenvolvimento francês, vivem em verdadeiros guetos, excluídos. Nos EUA, dias atraz, acompanhei uma reportagem sobre o furacão katrina e mais uma vez ficou exposta uma parte considerável da população americana, composta por pessoas de raça negra. Isso demostra que lá, como aqui no Brasil as desigualdades existem, mas são incobridas dos olhos do mundo. Parecia-me, até tomar conhecimento destes fatos que era só no terceiro mundo que tais fatos aconteciam, mas não. Ao que indica, outros países também caminham para tais atos, um caso é a Alemanha. Na Alemanha movimentos de jovens, também lutam por igualdades de direitos.

Política e corrupção

Estarrecedora essa declaração e confissão do ex-ministro dos transportes do atual governo, Anderson Adauto. No seu depoimento na CPI, declarou que recebeu e recebia do "Valérioduto" somas infindáveis de recursos. Pode-se supor que podem ser recursos oriundos de impostos ou de outros fins. Quem saberá, afinal ao certo? Bem, mais complicado ainda é a absolvição do deputado Sandro Mabel, que era acusado de decoro parlamentar. Ora, ao que me parece isso poder ser um índicio de "marmelada", isso mesmo "pizza" nos caso de desvio de dinheiro e "caixa 2" no atual governo. Indica-se pelas reportagens que tenho acompanhado uma certa morosidade que é visível, sendo que, aparecem cada vez mais denúncias de até a possível existência do "Valérioduto" no governo FHC. Isso também não se pode descartado. Mas, ao que me parece mais confunde do que esclarece. É claro que qualquer denúncia deve ser investigada, mas na situação atual só serve para protelar mais os resultados na CPI. E que se diga de passagem tem um prazo para expirar.

08 novembro, 2005

Mais um capítulo!

Venho tentando mostrar através de várias postagens sobre a posição que o Brasil vem obtendo nas rodadas de negociações internacionais. O Brasil já não fala mais por si, mas, também, pelos seus companheiros de mercosul e como Bush denominou da tal "liderança na América Latina". Bom, a reunião em Londres marcou mais um capítulo desta verdadeira guerra de interesses que é o comércio internacional, onde cada país luta pelas defesa e fortalecimento de seus mercados. O Brasil, ao que me parece, tem gerado em seus rivais no comércio internacional um pouco de irritação. Para não falar muita irritação. Veja a colocação do comissário de Comércio europeu, Peter Mandelson, onde ele demonstra certa ironia para com o nosso representante Celso Amorim. Amorim, diga-se de passagem, não tem cedido nas pressões para fechar acordos precipitados e que por possam prejudicar o país. Tem adotado serenidade e firmeza. Até que enfim o país começa a defender com mais afinco seus interesses, afinal, a soberania nacional não se negocia em uma mesa estrangeira. Leia mais um pouco...

Culpar o Protocolo de Kyoto?

Alguns países de primeiro mundo, também conhecidos como os mais poluidores do globo, acharam uma forma bem original para barrar, isto mesmo, barrar a idéia de redução na emissão de gases de efeito estufa. Que, todos sabem, traz sérios danos para a saúde do planeta. Bem, um estudo do Conselho Internacional para formação de capital levantou que a implantação das propostas que servem de base para o Protocolo de Kyoto, além de se tornarem muito caras para os países que as implantarão vai gerar uma queda, isso mesmo, uma redução no crescimento econômico europeu. Ora, e o bem-estar de suas populações? E a poluição e degradação do mundo? As calotas polares? Ao que me parece esses países, ditos de primeiro mundo, se consideram os únicos usúarios do globo e acreditam que podem poluir a vontade, mas isso tem um limite e a natureza já dá sinais. Os recursos hídricos é um exemplo clássico. O Brasil tem um potencial grande a explorar com a implantação do Protocolo, que é a venda de créditos de carbonos. Mais detalhes nesta reportagem da BBC...

Entender economia?

Esse Brasil é demais. Entender economia aqui é um exercício contínuo. Veja só o desespero do Banco Central para controlar o câmbio. O BC saiu a compra de lote e mais lotes de dólares para tentar conter a queda brusca. Que já atinge o menor patamar desde abril de 2001. Chegou a ser negociado a 2,19, um pouco abaixo do valor que o Prof André citou como cotação mínima (2,21 em 6/10). Bem, para ajudar neste mesmo mês de novembro, até o presente momento a balança comercial registra recordes fantásticos de superávit. Bom, isso por um lado é favorável, mas por outro dá muita dor de cabeça nos análistas do BC. Porque com mais dólares no país a tendência é de níveis mais baixos na cotação da taxa de câmbio ( aquela histórinha de que com uma abundância de dólares no mercado a taxa naturalmente cai). Bela dor de cabeça, não?

Lula decide falar

O presidente Lula concedeu uma entrevista muito interessante no programa "Roda Viva", na Tv Cultura. Na entrevista, foi questionado sobre esta suposição de que saberia do tal mensalão. Parece que o "bode espiatório" da nação é o Delúbio Soares. E lula não acredita em mensalão, para ele isso não existe, só na cabeça do Roberto Jeferson, sendo que, este já foi cassado. Vale apena conferir esta entrevista.

07 novembro, 2005

Amor e Economia

Um simples "namorico" e que vai virando coisa mais séria ou pode tornar-se, ainda, quase estável. Bem, com a palavra, José Pastore. Veja esse ponto de vista de amor e economia, só podia vir do José Pastore. Vale conferir o Gary Becker e a Jennifer Roback Morse também. Essa é demais, confira!

06 novembro, 2005

EUA e Brasil, agora amigos?

Fico me questionando. Será que esta visita do Bush trará alguma coisa de bom para o país? Qual é sua verdadeira intenção? Postei um texto que fala da intenção no México em se unir ao Mercosul. A china, todos sabem que desponta no comércio mundial. O mercosul tenta se organizar como um bloco para defender os interesses em conjunto. E a ALCA, sonho dos americanos, parece distante. Não podemos esquecer da briga na OMC. Então, qual é o verdadeiro interesse? Vender bondade e elogios, o Bush não consegue me convencer. Bom, alguém tem pistas?

Dicas Econômicas

Vou passar algumas dicas simples, mas muito importantes. Pequenos descuidos no orçamento doméstico tem gerado preocupação em muitas pessoas. Portanto, sempre é bom ficar atento. confira ...

Pesquisa

Bom, nesta postagem não vou colocar nenhuma informação sobre economia. Gostaria de ler o que os visitantes estão achando do meu blog. Bem, já faz uma semana que coloquei no ar e recebi mais de 250 visitas e para minha surpresa um baixo nível de participação (comentários). Então, decidi tentar ouvir estes visitantes (você) para que sugiram outros artigos, textos, temas, links que gostariam que tivesse para melhorar suas leituras sobre economia. Criei este blog para discutir a economia, mas na forma como está não há discussão. Neste blog, você tem um pouco de tudo. Você pode encontrar facilmente os principais periódicos, bancos de teses, working paper e alguns dos mais importantes articulistas e economistas que tratam do tema econômico. Portanto, utilidade acho que este blog tem, mas porque os visitantes não comentam ou dizem do que gostaram ou não dos temas? Isso eu não posso responder, isso cabe a você, meu caro visitante!

05 novembro, 2005

Fumo? Uma incógnita

Acordo antitabagismo preocupa produtor de fumo - Chico Oliveira PORTO ALEGRE e BRASÍLIA. A adesão do Brasil à Convenção Quadro para o Controle do Tabaco proposta pela Organização Mundial da Saúde e a ratificação desse tratado pela Câmara dos Deputados e pelo Senado pode ter tranqüilizado os antitabagistas. No entanto, está deixando em polvorosa quase 200 mil pequenos produtores que cultivam o fumo e não têm alternativa econômica para suas propriedades nem para manter o sustento de suas famílias, abrangendo cerca de 900 mil pessoas. Também pode estar colocando em risco parte dos 2,3 milhões de empregos da cadeia produtiva do segmento. O Brasil foi o segundo país a assinar o tratado, que já tem a adesão de 168 nações. O objetivo é impor restrições crescentes ao consumo do fumo, o que, mais cedo ou mais tarde, terminará afetando os produtores. Diferentemente do que se esperava, não há uma restrição direta ao plantio e à industrialização, mas os impactos nessas áreas serão uma conseqüência natural da esperada redução no consumo de cigarros. O secretário de Saúde do Rio Grande do Sul, Osmar Terra, o principal estado produtor e responsável pela maior parte das exportações, está preocupado com um indicador inquietante do Ministério da Saúde: entre 23.457 pessoas pesquisadas em 16 estados, Porto Alegre tem o maior índice de fumantes, 25,2%. Em segundo lugar está Curitiba, com 21,5%. O menor índice é o de Aracaju, com 12,9%. Mas Terra alerta que, juntamente com os benefícios para a saúde da população, devem ser discutidas alternativas financeiras para os produtores. Produtores terão ajuda financeira, diz ministério José Miranda Pacheco, representante do Ministério da Agricultura no conselho interministerial que discute a convenção internacional para reduzir o consumo de cigarro no mundo, afirma que o Brasil só decidiu assinar o acordo depois que o Ministério da Fazenda autorizou a criação de um programa de ajuda financeira aos produtores de fumo, que prevê, inclusive, medidas de acesso a novas tecnologias. Segundo ele, esses produtores terão apoio para diversificar a produção nas áreas cultivadas com fumo. Mas o diretor da Associação dos Fumicultores do Brasil (Afubra), Romeu Schneider, não se tranqüiliza com a promessa do governo. — Em alguém o governo vai dar o calote. Ou na Organização Mundial da Saúde ou nos produtores. Não acreditamos que a promessa seja cumprida — diz. Só os pequenos agricultores receberão com a venda de fumo este ano cerca de R$ 3,6 bilhões. As exportações gaúchas do produto chegarão a US$ 1,6 bilhão. — Umas cinco ou oito mil famílias podem passar a produzir hortigranjeiros, mas e as demais? — adverte Schneider. O governo também parece não estar levando em conta a possibilidade de sua atividade em relação à Convenção Quadro favorecer os países que competem diretamente com o Brasil no mercado internacional de tabaco, como os Estados Unidos e a Argentina. Até o momento, esses países não assinaram o tratado. De acordo com o Sindicato da Indústria do Fumo, com sede em Santa Cruz do Sul, cidade gaúcha que industrializa 88% do fumo produzido no país, o Brasil exporta 85% de tudo que fabrica. O representante do Ministério da Agricultura garante que a adesão ao acordo não oferece riscos para as exportações. — Não existe essa possibilidade, pois o Brasil é o maior exportador mundial de fumo — diz Pacheco. Produtores e indústrias concentram agora suas atenções nas reuniões da Convenção Quadro a partir de fevereiro de 2006, quando serão definidos os protocolos que estabelecerão as restrições. COLABOROU Geralda Doca - Jorna O Globo 06/11/05

A volta de Irton Marx?

Na capital do tabaco, idéias separatistas. Santa Cruz do Sul, a 150 quilômetros de Porto Alegre, onde estão as principais indústrias de fumo do Brasil, processando 88% de toda a produção do país, se notabiliza também por um movimento que de tempos em tempos chama a atenção, mas não mobiliza mais os gaúchos: a idéia separatista. Ali, em 1990, o jornalista e vereador Irton Marx, de 56 anos, lançou o seu Movimento Separatista pela criação da República Federal do Pampa. Segundo ele, o estado não agüenta mais tantos impostos e o abandono do governo federal. Ele foi condenado em 2001 por propagar o separatismo e cumpriu pena de dois anos prestando serviços comunitários em um asilo da cidade, onde limpava os banheiros. Mas não desistiu: — Com essa questão da Convenção Quadro o movimento deve engrossar — aposta. Comitês pró-emancipação atuam em 352 comunidades Os produtores de fumo, preocupados com o futuro da atividade, devem se tornar mais sensíveis à idéia separatista, prevê Irton. No dia 3 de dezembro ele espera reunir em Santa Cruz mais de 500 partidários de sua República Federal do Pampa, oriundos de comitês que já estão criados em 352 comunidades gaúchas. — Se houver um plebiscito, 75% a 80% dos votos serão a favor da separação do Rio Grande do Sul — opina Irton, animado com a votação que o elegeu para a Câmara de Vereadores na atual legislatura. Com menos de três mil votos em um colégio eleitoral de mais de 83 mil, ele diz ser o vereador proporcionalmente mais votado do estado. E já se inscreveu como pré-candidato de seu partido, o PDT, a governador do estado nas eleições do ano que vem. (Chico Oliveira) - Jornal O Globlo, 06/11/05

Não ao "denuncismo vazio"

Lula está indignado com as denúncias, que segundo ele são denuncismo vazio para com seu governo e o PT (ou PTralhas). Bom, parece que com todas essas evidências de corrupção por integrantes do seu governo, não lhe resta mais nada do que se defender. Já venho falando isso em vários comentários, pois acredito que seu governo já acabou e só lhe resta agora falar e explicar, explicar, tentar justificar. O que falta mesmo é, segundo José Pastore, é ação e menos demagogia.

Mercosul com México?

Os mexicanos estão de olho no mercosul. Já existe um interesse formal para o início de 2006. Pode ser que ajude numa possível aliança, mas acho complicado baterem de frente com seu maior vizinho (EUA). Só tem intensão mesmo em abrir mercado. Confira ...

Bem original!

Não tenho nenhum interesse partidário, mas está foto que recebi recentemente mostra um pouco da ironia do povo brasileiro para com o atual governo. Foi, no mínimo, muito original.

Arma contra a corrupção

Boa idéia essa do TSE. Confiram...

Investimento no exterior cresce

Segundo o Banco Central, os valores investidos por empresas brasileiras no exterior cresceu 28% em relação a 2004. Além da abertura econômica e da internacionalização de algumas empresa, você arriscaria mais algum fator? Acho que impostos também contribui para esta tendência. E você, o que acha?

Essa moda tem que pegar

A Prefeitura Municipal de Montenegro vai adotar um pregão eletrônico para controlar as compras da prefeitura. Além de gerar ECONOMIA para os cofres públicos, vai gerar mais transparência nas aquisições.

02 novembro, 2005

Brasil é o 4° melhor país para investir, diz a ONU

O Brasil é o 4° melhor país do mundo para investir, segundo o Relatório de Investimento Mundial 2005, publicado nesta quarta-feira pela Conferência das Nações Unidas para o Comércio e o Desenvolvimento. Confira a reportagem...

Ministro admite "relaxamento" no controle de aftosa

Agora é tarde Sr. Ministro. Isto parece ser uma característica do atual governo em só aparecer para lamentar ou dar explicações. Ação que é bom, muito pouco. Confira mais esta...

Econometria

Muitas vezes estudamos teoria e modelos desenvolvidos por grandes pensadores. Microeconomia é um caso notável, onde muitas vezes me questionava sobre a vida destes pensadores. Entre eles, Lagrange, Pareto, Cournot, Edgeworth, entre outros. Bem, a universidade de Illinois disponibilizou no seu hall da fama algumas fotos dos mais importantes. confira... A-K e L-Z

01 novembro, 2005

Observar e Pensar


Hoje nossos alunos são proibidos de observar o mundo, trancafiados que ficam numa sala de aula, estrategicamente colocada bem longe do dia-a-dia e da realidade. Nossas escolas nos obrigam a estudar mais os livros de antigamente do que a realidade que nos cerca. Observar, para muitos professores, significa ler o que os grandes intelectuais do passado observaram – gente como Rousseau, Platão ou Keynes. Só que esses grandes pensadores seriam os primeiros a dizer "esqueçam tudo o que escrevi", se estivessem vivos. Na época não existia internet nem computadores, o mundo era totalmente diferente. Veja o artigo...