Olhar Econômico

13 novembro, 2005

Política Econômica

Esta é uma questão paradoxal e que tem suscitado discussões no meio. Afinal, a política econômica do governo Lula é continuísmo da praticada no segundo governo FHC? Eu acredito que não é em sua totalidade. Explico, então. O debate é nitido, onde os petistas lutam em afirmar que não. A concepção ora apresentada busca elucidar alguns fatos que julgo importantes para diferenciar em alguns pontos tais politicas. Que na verdade são semelhantes em alguns analises, embora divergentes em outras. Bem, na verdade, a caracterização de uma política econômica exige a análise da combinação dos instrumentos utilizados e a mudança de alguns fatores pode desencadear um processo também diferenciado. No atual governo acompanhamos uma redução na relação dívida/PIB para com os dados do governo anterior. A expansão do crédito, vital para o processo de crescimento, tem atingido níveis altos. Estima-se que o BNDES disponha de cerca de R$ 60 bilhões para concessões. Apesar de que o mercado não é capaz de absorver todos esses recursos. A inflação atinge os menores índices e a ociosidade na indústria tem mostrado alguma melhora, ou seja, o processo de fortalecimento nas politicas de exportações tem ajudado o progresso industrial. A renda tem mostrado um certo ganho real. Sem contar que o índice risco-Brasil apresenta os menores indicadores dos últimos anos. E mais interessante nisto tudo é que mesmo com uma das maiores apreciações do dólar frente ao real as exportações atingem níveis espetaculares. Esta mesmas exportações tem sido o principal elemento que faz cair a cotação do dólar. Portanto, alguns considerações devem ser feitas ao atual governo. Posso abservar uma política industrial um pouco mais clara e com fortalecimento da agricultura. É uma política continuada, mas melhorada em alguns aspectos. Outro ponto interessante é a taxa de crescimento da economia nacional que obtinha crescimento médio de aproximadamente 2,2% no governo FHC e no ano passado obtivemos um cresciemento próximo aos 5%, apesar de que este ano será menor, ficará na casa dos 3,5 - 4,0% com tendência de crescimento maior em 2006. Acho que algumas colocações devem ser feitas para não confundir o atual governo com corrupção apenas. Apesar que esta manchou muito seu trabalho.