Olhar Econômico

05 novembro, 2005

A volta de Irton Marx?

Na capital do tabaco, idéias separatistas. Santa Cruz do Sul, a 150 quilômetros de Porto Alegre, onde estão as principais indústrias de fumo do Brasil, processando 88% de toda a produção do país, se notabiliza também por um movimento que de tempos em tempos chama a atenção, mas não mobiliza mais os gaúchos: a idéia separatista. Ali, em 1990, o jornalista e vereador Irton Marx, de 56 anos, lançou o seu Movimento Separatista pela criação da República Federal do Pampa. Segundo ele, o estado não agüenta mais tantos impostos e o abandono do governo federal. Ele foi condenado em 2001 por propagar o separatismo e cumpriu pena de dois anos prestando serviços comunitários em um asilo da cidade, onde limpava os banheiros. Mas não desistiu: — Com essa questão da Convenção Quadro o movimento deve engrossar — aposta. Comitês pró-emancipação atuam em 352 comunidades Os produtores de fumo, preocupados com o futuro da atividade, devem se tornar mais sensíveis à idéia separatista, prevê Irton. No dia 3 de dezembro ele espera reunir em Santa Cruz mais de 500 partidários de sua República Federal do Pampa, oriundos de comitês que já estão criados em 352 comunidades gaúchas. — Se houver um plebiscito, 75% a 80% dos votos serão a favor da separação do Rio Grande do Sul — opina Irton, animado com a votação que o elegeu para a Câmara de Vereadores na atual legislatura. Com menos de três mil votos em um colégio eleitoral de mais de 83 mil, ele diz ser o vereador proporcionalmente mais votado do estado. E já se inscreveu como pré-candidato de seu partido, o PDT, a governador do estado nas eleições do ano que vem. (Chico Oliveira) - Jornal O Globlo, 06/11/05