Olhar Econômico

18 dezembro, 2005

Quem pensou nisto na eleição de Lula?

Me diga, quem pensou que o Lula, que tanto almejava o poder, pagaria uma dívida com o FMI adiantado? Nada como um dia após o outro. Agora, quem está de "Lua de Mel" com o Brasil é (era) o desconfiado FMI. Depois dessa, parece que o apoio deste órgão internacional é certo e Lula o terá nas próximas eleições, ou se é que se decidirá sobre ela, pois até agora só está desconversando.

O diretor-gerente do FMI, Rodrigo de Rato, deu "parabéns" ao Brasil pela decisão de antecipar o pagamento de US$ 15,5 bilhões da dívida com o Fundo até o final do ano.
Rato citou o Brasil como um exemplo a ser seguido durante sua entrevista coletiva de fim de ano, realizada nesta quarta-feira, na sede do FMI, em Washington.
Para ele, o Brasil é um exemplo bem sucedido de país em que as reformas macroeconômicas deram certo.
“Este foi o caminho que permitiu ao governo brasileiro decidir pelo adiantamento do pagamento da dívida do país com o Fundo”, disse Rato sobre a decisão do governo brasileiro anunciada na terça-feira.
Questionado se o ano que vem, por ser ano eleitoral, poderia trazer instabilidade para o país, o chefe do Fundo Monetário foi taxativo: “O Brasil já mostrou nos últimos anos que a estabilidade macroeconômica não é um compromisso político, mas um compromisso nacional”.
Ele disse estar confiante de que as atutoridades brasileiras vão continuar neste caminho de estabilidade econômica.