Olhar Econômico

14 abril, 2006

Brasil opta pelo modelo japonês na TV Digital


O modelo de TV digital no Brasil será o japonês. O memorando no qual o Brasil se diz favorável à adoção do sistema para a TV digital no país foi assinado ontem, em Tóquio, pelos ministros das Relações Exteriores dos dois países. A opção do Brasil pelo modelo japonês ainda deverá ser confirmada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Segundo o memorando, "o Brasil vem estudando favoravelmente a implementação de TV digital, baseado no padrão ISDB-T, e a cooperação para o desenvolvimento da respectiva indústria eletroeletrônica brasileira". O documento foi assinado pelo ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, e pelo ministro dos Negócios Estrangeiros do Japão, Taro Aso.

O acordo é resultado da visita, ao Japão, de uma comitiva de ministros, composta, além de Amorim, por Hélio Costa, das Comunicações e Luiz Fernando Furlan, do Desenvolvimento. Os ministros e técnicos do governo reuniram-se nos últimos dois dias com representantes do governo e da indústria japonesa.

Trabalhar juntos pela adoção do sistema de transmissão de TV digital no Brasil - chamado de nipo-brasileiro -, foi o compromisso firmado pelos dois governos, que expressaram ainda o desejo de estabelecer uma parceria sólida e duradoura. O sistema adotaria a modulação japonesa, incorporando avanços tecnológicos brasileiros. O Brasil não pagará royalty pelo uso da tecnologia, e os japoneses se comprometem a treinar pessoal, compartilhar informações e financiar a mudança do sistema.

Uma fábrica de semicondutores a ser instalada no Brasil ainda está em negociação, mas o governo japonês se compromete a apoiar a iniciativa. Segundo Amorim, o anúncio formal do modelo de TV digital será feito no momento adequado:

- O importante era ter um memorando que demonstrasse o engajamento do governo do Japão com o desenvolvimento tecnológico e industrial, com a abertura para as inovações técnicas feitas pelo Brasil.

Como próximos passos nas negociações entre os dois países, o documento aponta a iniciativa de o Brasil organizar um comitê de indústrias que ficará responsável pela elaboração de propostas que favoreçam o investimento internacional em indústrias de ponta no país, como a de semicondutores.

O padrão definido

Japonês (ISDB-T)
Privilegia a transmissão em alta definição para televisores fixos.Também permite a transmissão em standard para receptores em movimento e em baixa definição diretamente para telefones celulares (sem que o sinal passe pelas operadoras de telefonia móvel).

O governo decidiu pelo padrão japonês levando em conta as contrapartidas oferecidas pelos países e empresas. O objetivo é negociar a implantação de uma fábrica de semicondutores.

As diferenças

O padrão americano (ATSC) ressalta a imagem de alta definição, enquanto o europeu (DVB) é melhor em programação. O sistema japonês acrescenta a possibilidade de recepção por telefone celular.

Fábrica em contrapartida

O que é:
Semicondutores são componentes usados na fabricação de equipamentos como computadores, televisores e DVDs. São feitos de material com capacidade limitada de conduzir corrente elétrica.
O termo também é aplicado, incorretamente, a componentes eletrônicos como transistores e circuitos integrados. Esses componentes, na verdade, são fabricados com base em materiais semicondutores.

Por que é importante:

A instalação de uma fábrica de semicondutores seria o símbolo de que o Brasil entrou realmente na era da nova tecnologia de informação. Os semicondutores são matéria-prima na produção de microchips, por exemplo, presentes em equipamentos eletrônicos como celulares, TVs e computadores. Como o Brasil não produz microchips, gasta US$ 2,5 bilhões por ano só com a importação desses produtos.

Fonte: Jornal Zero Hora (14 de abril de 2006. Edição nº 14841)


Alguns comentários:

Quem paga essa conta? Pelo que consultei até agora, seria as empresas de telecomunicações que terão de investir U$ 1,7 bilhão em dez anos destinados à substituição de transmissores e antenas, equipamentos de gravação e edição bem como recursos técnicos e de produção oriundos da oferta de novos serviços. E, no Brasil, só a Rede Globo (Via Projac) tem condições hoje de retransmitir imagens digitais. O mercado potencial é de cerca de U$$ 10 bilhões.

E a população, o que será que ela achará? Em uma população de analfabetos tecnológicos como a nossa, menor importância terá a sofistificação na qualidade de imagem e som ou na interatividade de serviços que a possibilidade de multiplicar o alcance de canais e opções de programação. A quase totalidade dos telespectadores nunca teve como usufruir as vantagens da TV por assinatura.

E a adaptação, como será? A alta definição só será recebida por aparelhos de TV que custam hoje em torno de 15 ou 20 mil. A príncipio não adianta colocar uma "caixinha" (conversor set top box) pois a "caixinha' apenas fornece algumas funcionalidade e não conversão total para uma imagem de alta definição.

Mas, certamente o Brasil está entrando num dos mercados mais promissores e que ainda não decolou de vez. Certamente, um grande negócio e com um lobby muito forte de grandes empresas multinacionais.

Alguns sítios interessantes: CPqD, FINEP

2 Comments:

  • Prezado Joselmar,

    Declarar-se "favorável" à adoção de tal sistema não significa ter-se decidido por ele.

    Esta afirmação, ao meu ver, adianta a posição dos orientais na fila, é claro. Mas daí a afirmar que já é fato consumado a escolha do padrão japonês não é muito arriscado?

    Abraços

    By Anonymous Anônimo, at 4/17/2006 11:53:00 AM  

  • Essa discussão sobre o modelo de TV digital no país será tema de muita discussão. Esse post se refere ao protocolo de intensão firmado entre Brasil e Japão.Isso significa que ainda deve se sancionado pelo presidente. Mas, ao meu ver, o mais importante é que a população saiba do que se trata isso. Me parece um tanto quanto vago, veicular na mídia que Brasil está dicutindo com outros países um tema que nem por aqui é muito divulgado.
    Valeu seu comentário, se o meu post não fica claro que é uma assinatura de protocolo de intensão, você fez a devida ressalva. Muito obrigado pela contribução. Abraço, Joselmar

    By Blogger Joselmar Silva, at 4/17/2006 01:33:00 PM  

Postar um comentário

<< Home